O saxofonista na janela.

Peixoto Gomide.   Rua Grande colisão estrelar. O choque gostoso da piranhagem selvagem e abuso de drogas. A droga das primeiras horas da noite é a cerveja 600ml. 5 reais no mercado do china. Logo acima num prédio, na altura do quinto andar um homem toca com certa lentidão e dificuldade a escala de dó…

Caderno – (anita)

Queria ser a menina do caderno limpo Sem rabiscos Sem páginas rasgadas Queria ser a menina da agenda nova E queria que meu primeiro dia fosse você Queria escrever sobre a nossa história De verão a verão Deixar o nosso cheiro nas paginas Mas eu estou nos últimos capítulos E minha agenda já tem muitas…

Minha Julia

Eu só queria levar a Julia pra passear, mas eu vacilei, me deixei levar pelo tesão. O que tínhamos era algo legal, digo, com a Claudia, mesmo que todo dia reclamasse do pano de prato molhado em cima da pia. Minha mãe sempre me protegeu dizendo que o que sentia era felicidade quando via um…

Figuras – crônica

Heitor não tinha lirismo na vida. Nao por ser jornalista, mas por ter nascido com uma certeza que todos nos desconhecemos. Se tem algo que não sabemos, é até quando viveremos. Heitor nasceu com uma doença genética, progressiva e mortal. Ninguém de sua família jamais passou dos 35. Não via sentido nas figuras de linguagem….

O tempo é um meio de se perder em si. – Poema

A solidão é medida em segundos. Mas não da forma que você está pensando. Segundos daquele abraço que se dá quando se encontra alguém com quem já compartilhou uma história de sangue ou espírito. Sabe quando sua voz parece esquisita quando sai? Praticamente desconhecida. O rosto cada vez menos reflete no espelho do quarto. No…

Mordaça – Poema

Perguntou de todas as coisas, de todas as formas sem perguntar nada, Parou em cima de mim sem encostar, Para cá veio sem sair de casa. Em toda minha vida, nunca ouvi nada mais lindo que seu silêncio E nada mais feio vi que o seu amor. Eu só queria poder falar com ela mais…