O que trava as costas – Poema

Ciúmes
Instabilidade
Fim
18 latas de cervejas na pia
Ir embora em má hora
Não estar à vontade
Vontade de menos
Concentração de menos
Contração demais
Dormir demais
Fome
Ter sede, ser sedento, ou
Sedentário
Ser sozinho
Ficar sozinho por
Muito tempo
Não ter tempo
Achar que o tempo não é flexível
Não ser flexível
Ser inflexível
Ser terrível por guardar os sentimentos

Sentem os sentimentos
Que exitam pelas costas
Nunca por outro lugar
Fora a boca
Saída à força
Rouca.

O grito rouco
Quando trava,
Quando prende,
Quando não quer
Deixar ninguém sair.20170701_103542

Anúncios

3 comentários Adicione o seu

  1. Maria Vitoria disse:

    Filipe, gostei bastante deste teu poema. O compartilharei em meu blog, ok?

    Curtir

    1. fcavadas disse:

      lógico. fica a vontade =)

      Curtido por 1 pessoa

      1. Maria Vitoria disse:

        Feito. Postei aqui e deixei um link que segue direto para seu blog para que os leitores possam conhecer melhor o seu trabalho e seus excelentes textos.

        Tenha um ótimo dia!

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s