A Tampa – Poema

Tem cada vez mais gente
se apaixonando por mim
e eu não consigo mais me
apaixonar.

Quando perdi a capacidade
e me apegar por alguém
tornei-me artista

Receptor,
observador das interações humanas.
Não me abalei quando as vi chorar.
Não me importei quando sumiram.
Não tentei fazer nada
para impedir o fim

Mais cacos de vidro estilhaçado
no chão da cozinha.
a tampa da última panela que prestava.

O prato caiu,
a taça quebrou,
a garrafa explodiu
e agora a tampa
que impedia a pipoca
de fugir do óleo quente,
que mantinha a comida quente
e não deixava a fumaça subir.

Panela que guardava pra si
o calor da sua relação
com a comida
e a chama queimando,
queimando,
logo abaixo
de si

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s