Poemas de janeiro “Fcavadas” e “LP”

FOGÃO
(Filipe Cavadas 05-01-17)


Tá vindo um calor
de dentro do forno, atrás de mim.
Enquanto eu começava o dia
fazendo café;
mas ele
– o forno –
estava desligado.
É como se fosse a lembrança de algo
que um dia já queimou
como um coração

Muita gente acha que poesia é rima
mas, como a vida,
é sobre ritmos e pausas
poesia é coração que queima
ou que virou carvão
ou que ganhou asas.


SOZINHO
(Filipe Cavadas 06-01-17)

Eu gosto do tranquilo
Músicas lentas, conversas
A certa distância. Dormir junto,
E eu não durmo muito
Talvez por dormir sozinho
Gosto de ler – em voz alta
Tenho vergonha, mas leio
Talvez por ler sozinho
Cozinhar, testar novas receitas sem medo
Talvez por comer sozinho
Mesmo num bar lotado, sentado
Bebo sozinho
Mesmo com você junto a mim
Comendo, bebendo, lendo, transando
Talvez prefira ficar
Sozinho


OUTROS
(Filipe Cavadas 07-01-17)

Pertencemos ao mesmo grupo por sermos diferentes
mesmo que uns dos outros e de nós mesmos também sejamos
somos de um grupo diferente que de nada temos de igual um do outro
a não ser o estranhamento – de outros
diferentes porque aceitamos
dos outros – “nossos” outros – a diferença, os enganos
Afinal, torçamos para não sermos internados
enquanto almoçamos – liberdade
ou exitamos – na vida
ou pensamos – demais
E mesmo que nós,
diferentes de todos e de seus próprios, fujamos,
convenhamos:
sozinhos estamos
somos loucos
convenhamos.


Pégasos
(Luciano Pinheiro 10-01-17)

A lua foi só um detalhe, um requinte
para a noite mais incomum que já tive
em tempos. Olho os casais apaixonados
como olham a humanidade os deuses do Olimpo

um olhar soberano de quem tem a certeza de ser inatingível,
inalcançável
de alguma forma seu sorriso me atirou de cima
do meu particular monte olimpo
e – como uma pedra cai – obedecendo a sua gravidade
meu corpo, outrora imortal, sucumbiu aos ferimentos
da queda e longevidade

fiquei por ora confuso, até perceber, ou me lembrar
se era imortal. vi-me tão vulnerável ao seu sorriso
que tentei voltar ao topo do meu monte
mas ele não estava lá.
só me restava esse corpo
e a opção de ter que reaprender a lidar
com a mortalidade


BLUE EYED ANGEL
(Filipe Cavadas e Luciano Pinheiro 10-01-17)

Whenever a blue eyed angel falls from the sky
it sparks a burning flame in my heart.
Forever blue like a dark sight.

You can only feel in your heart’s bullseye
that she needs me tonight
when I look her in the eye
and she looks back in mine.

I’m the only one who can understand why
she feels so lonely and shy
like an eagle swims the sky.


 

EMBORA
(Filipe Cavadas 12-01-17)

ache-a linda
– não seus amigos ou sua família –
você.
Queira vê-la todos os dias,
elogiá-la e senti-la
Ter vontade de encostar
em sua face os lábios
todos os dias
por semanas
meses e anos.

“Ela é linda”, pense sem força
e que continue linda
independente do que faça, ou para onde vá
mesmo que de costas
indo embora,
pense:
“Ela era linda”,
repense:
“é linda”
até de costas
indo
para outros caminhos.

Indo embora
mesmo que em má hora,
demora
pra perceber
Que ela é linda.
e sempre foi.

Às vezes demora
tanto, que ela já foi embora
e você nem percebeu
o que ela era:
Sua autoestima

Foi embora
mas pode voltar
em qualquer dia de sol
ou de chuva,
independente do clima
arrume sua casa e esteja
pronto para recebê-la
amá-la e senti-la…

sinta-se, ame-se, beije-se
todos os dias
da semana,
meses e anos.
Todos os dias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s