9 textos sobre família e lar

1 – Florença

Eu poderia ter nascido em Florença na época dos Médici ou na Toscana renascentista
Na Tailândia de daqui a 10 anos
Ou nalguma micro-região iluminista do séc. XVIII.
Mas nasci no rio, num hospital de Botafogo
Vivi por curicica, taquara e Vila Kosmos (que na década de 30 chamou-se Vila Florença)
Em São Paulo renasci e me iluminei
Perto do centro, da Rua augusta e Frei
Nasceu também a Liberdade
A arte e o amor próprio
Dentro de mim.

2- Experimente

Experimentar é preciso
Planejar também. Mas não se apegue
Caso algo mude seu rumo
É preciso ver
os ditos “erros”
Como novas oportunidades
Um novo caminho para conquistar seus objetivos
Sem adaptá-los ou se frustrar.
É melhor seguir caminhando
Se perdendo e aprendendo
Do que parado, tendo fé
Que o velho caminho, já apagado
reaparecerá.

3- Diálogos perdidospai-1

Meu pai entrava em mais um daqueles assuntos loucos:

– sabe o coisa?
– que coisa?
– daquele dia. O coisinha, tringueleta. Do lugar que a gente almoçou aquele dia, de dia no lugar do peixe.

4- Sangue de Boi

Beber 3 garrafas de vinho
É quando você, ao se ver no reflexo do espelho, consegue se divertir sozinho.
Todo cuidado é pouco.
Caí de cabeça na pia, sangro horrores e continuo rindo.

5- Ação

Na minha família não têm ou tiveram atletas, escritores, músicos…
Talvez por isso eu sentisse tanto prazer fazendo as coisas que faço. Não sinto pressão, não to fazendo média com ninguém. To fazendo as coisas pra mim. No fundo faço o que quero. Não tive inspirações ou modelos a seguir, tudo que peguei pra fazer foi porque um dia me deu vontade. Vontade de ser capaz de executar algo. Nunca me interessou ser o melhor nessas coisas. Eu gostava mesmo do processo. Aprender sozinho, de apanhar, me virar. De aprender tentando, errando, sempre criando, destruindo, desconstruindo, com mínimo que aprendia. Mal sabia dois acordes e já queria compor. Escrevi sem nem ao menos  ler um livro completo, o dia que aprendi a estrutura de um soneto, escrevi um, competi sem saber direito as regras do esporte que acabava de iniciar. E sempre tava disposto a ensinar aquela coisinha que tinha aprendido, sem domínio nenhum do assunto.
Com uma palavra um amigo me definiu:
Ação.
Acho que é por aí mesmo. Vou seguindo e fazendo as coisas antes mesmo de saber o que elas são.

marina-1

6- Rede

Deitado na rede
Com um pé em minha sombrancelha
Esquerda
Marcela com a cabeça apoiada
Na canela
Direira
Marina na cabeçeira
da mesa
Escrevendo sobre política
Brasileira

7- Erros

O problema
Seja na poesia ou na vida
É que ninguém presta atenção
Na mensagem que quis ser passada
Só se atentam aos pequenos erros cometidos
Como os de grafia, do último texto, em versos, escrito.

8- Scar

A pessoa que conheço que mais lê
não tem muitos livros na prateleira.
Tem muito menos livros que eu, talvez.
São todos velhos, surrados, que vejo há anos, tem uns que conheço desde criança.
Ela não guardava os livros que lia.
Guardava apenas os que deixaram cicatrizes
em sua alma.
O resto, dava.
Vai ver eram feitos
pra arranhar outras pessoas

9- ( )

Como podemos ter a personalidade tão diferente e ter o gosto musical tão parecido?
Talvez o único elo que nos unisse, fosse a timidez, que nos faça querer nos expressar dessa forma. No fundo queremos que eles, vocalista, digam, gritem pra quem ouve conosco esse som, o que queremos realmente dizer.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s